Imagem

O centro histórico da Penha ainda tem a configuração de um outeiro colonial.

Todos aqueles que já caminharam pela Rua Dr. João Ribeiro, perceberam o quanto esta via e calçadas são bem estreitas. A calçada direita no sentido centro-bairro é tão estreita, que os postes da Eletropaulo ocupa toda a sua largura, e o pedestre tem que se espremer em alguns pontos para poder passar entre o poste e as paredes dos edifícios.

 

O motivo é simples: esta rua, uma das principais vias da colina, é mais antiga que a distribuição de energia elétrica. Remonta da época que não existiam postes nas calçadas.

Na verdade, esta rua é uma das mais antigas do Brasil que ainda preserva sua configuração original.

 

A antiga Light, quando começou o trabalho de expansão do consumo de eletricidade na cidade, precisava colocar postes nas ruas. As ruas mais antigas do centro de São Paulo tiveram sua distribuição feita em galerias subterrâneas.

As ruas estreitas do centro histórico da Penha não tiveram este mesmo tratamento.

 

A “João Ribeiro”, que era conhecida no século 18 como Rua Direita, fazia parte do trajeto Rio – São Paulo. Por ela passava todos os viajantes que vinham de São Paulo pela estrada da Penha, subiam a Ladeira da Penha, hoje Ladeira Cel. Rodovalho, contornavam a igreja pelo lado direito, por isso Rua Direita, e seguiam rumo à São Miguel onde tinha início a Estrada São Paulo – Rio.

 

A Rua Dr. João Ribeiro conheceu todos os tipos de transporte. Por lá, passaram burros de tropa, carros de bois, cavalos, carroças e carruagens. Viu chegar o progresso trazendo primeiro a bicicleta, depois os automóveis, caminhões e ônibus. Até a inauguração da Rodovia Pres. Dutra, é por lá que passava qualquer veículo em direção ao norte do país. Conheceu também toda espécie de viajantes: tropeiros, mensageiros, comerciantes, missões científicas, religiosas e os dois imperadores do Brasil, D. Pedro I em missão política para articular a independência e Pedro II para articular sua permanência contra o movimento republicano.

 

Foi na Rua Dr. João Ribeiro que foi instalado o primeiro cartório da Penha, então no prédio de número 350. Também a primeira agência do Banco do Brasil, na época, no número 487, e a Caixa Econômica Federal, no número 481.

Lá também foi inaugurado um dos cinemas mais luxuosos do Brasil, o Cine Júpiter, num edifício moderno no estilo art-decò. O teto se abria nas noites estreladas e a platéia assistia ao filme com as estrelas do cinema na tela, e as estrelas de verdade no céu.

 

Quanto ao nome desta histórica rua, é uma homenagem ao Dr. João Ribeiro Marcondes Machado, chefe político de grande prestígio na colina. Sempre fez questão de morar na Penha de França e era muito estimado pela comunidade pelo seu trabalho social, numa época em que nem existia e nem se pensava em trabalhos comunitários, ONGs, etc.

Anúncios